Racismo e Outros Preconceitos “Inconscientes”


Essa semana o treinador da seleção de jogadores brasileiros de futebol fez uma declaração que se tornou mais importante do que sua atuação à frente da equipe. Ele disse “acho que sou afrodescendente de tanto que gosto de apanhar.” Naturalmente, ele no mesmo dia emitiu um pedido oficial de desculpas e ficou tudo bem. Digo, pelo menos na cabeça dele.

Entre pessoas que pensam a declaração do atleta suscitou e está proporcionando muitos debates sobre racismo, muita gente defendendo o ponto de vista de que ele apenas escolheu mal as palavras, e também muita gente afirmando que ele foi racista.

“Acho que sou afrodescendente de tanto que gosto de apanhar.”

De minha parte afirmo: o comentário dele foi racista, sim. Tenha tido ele a intenção de ofender ou não, são outros quinhentos (e de boas intenções se pavimenta a estrada para o inferno).

O comentário revela algo que nunca esteve realmente oculto: as pessoas continuam racistas, porém elas param e olham o seu entorno antes de fazer comentários preconceituosos contra pessoas negras. Tanto que ele usou o termo “afrodescendente”, como se isso automaticamente anulasse o racismo impregnado em suas palavras.

Aliás, é muito bom que as pessoas parem e pensem antes de fazer comentários preconceituosos. Mesmo não tendo o respeito legítimo por outro ser humano, se a pessoa fingir que tem, ainda mais se fingir bem, já é um avanço.

Há quem diga que a declaração do técnico foi “racismo inconsciente,” razão pela qual ele deve ser desculpado.

Quando o racismo é inconsciente, a obrigação da pessoa (não que eu queira cagar regra) é tornar-se consciente do seu comportamento para então descontinuá-lo. Para uma pessoa pública como ele isso é fundamental.

O mesmo se dá com outros comportamentos doentios, como homofobia, transfobia, misoginia, xenofobia, etc.

Se é inconsciente, para além de culpar a pessoa a denúncia é importante para que ela adquira consciência do que vem fazendo, para ter a chance de mudar.

Acontece que não há debate quando se trata de legitimar o racismo. Não tem espaço para isso.

Quem quiser continuar sendo racista que continue, mas sabendo que o mundo mudou e que não há mais a possibilidade de sentir “orgulho” por detestar, menosprezar, ou apenas prejulgar pessoas por causa de sua cor de pele.

É por isso que digo: para quem pensa assim, o choro é livre, porque a pessoa já está do lado perdedor da História (ainda bem).

Compartilhe

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.67
Total de Votos: 15
Racismo e Outros Preconceitos “Inconscientes”

Janio Sarmento
Administrador de sistemas, humanista, progressista, apreciador de computadores e bugigangas eletrônicas, acredita que os blogs nunca morrerão, por mais que as redes sociais pareçam cada vez mais sedutoras para as grandes massas.

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.