Qual meu direito de desqualificar o medo alheio?

As pessoas podem ser motivadas a dizer e cometer burrices pelo medo. Qual o meu direito de desqualificá-las?

20 de outubro de 2017 • Por Janio Sarmento, em Opinião

Uma das coisas que mais me incomodam na “sociedade” atual, na assim chamada classe média brasileira, é a “outrofobia” calcada no que chamam de “ideologia de gênero”.

De maneira simplificada, “ideologia de gênero” é uma teoria que diz que os papeis masculino e feminino das pessoas na sociedade são aprendidos e não naturais. Porém, a massa homofóbica em geral espalha a desinformação ao dizer que ideologia de gênero implica obrigar as crianças a serem sexualizadas precocemente em práticas homo e heterossexuais, para que depois de conhecerem “os dois lados” possam escolher o que querem ser. Vão além, dizendo que em muitos países há leis que condenam os pais à prisão caso inventem de reclamar por estarem fazendo isso com seus filhos.

É tudo besteira. Quem distorce uma informação desse jeito pode não praticar, mas certamente tem a mente de um pedófilo, capaz de pensar os detalhes e as justificativas para crimes que não passam nem perto do que as pessoas mais racionais querem: igualdade de direitos civis para todas as pessoas, independente  de com quem elas dormem, com quem se casam ou como vivem suas sexualidades.

Entretanto, esse tipo de informação deturpada se espalha feito um vírus mortal conquistando o mundo, porque ela se nutre não só da ignorância das pessoas, mas principalmente do medo delas.

Quem tem filhos (ou sobrinhos, ou quaisquer crianças pequenas com quem se importe) sabe o quão angustiante pode ser a percepção de que é impossível proteger os infantes das ameaças do mundo. Nenhum adulto que ama suas crianças consegue ser frio e racional quando o assunto são elas.

O ódio é fruto do medo, e somente desfazendo este é possível debelar aquele.

Então, o medo de que violem seus filhos na escola à guisa de educação sexual é legítimo nesses pais. Não que seja justificado (quem viola o faz por causa de sua mente criminosa, jamais para “ensinar” o que quer que seja), mas é legítimo porque realmente é impossível saber a que os pequenos estão expostos.

Em vez de condenação estes pais apavorados precisam é de acolhimento. Precisam eles mesmos ser educados para saber que ninguém vai a cada sala de aula obrigar os aluninhos a “virar bicha” aproveitando-se do fato de os pequenos não terem discernimento para entender o que pode significar uma sexualização precoce. O ódio é fruto do medo, e somente desfazendo este é possível debelar aquele.

Naturalmente, quem como eu fica fulo com as pessoas que disseminam a desinformação também está tomado pela emoção do medo. No meu caso, o medo de que os retrocessos sociais que se espalham pelo Brasil transformem a minha terra, onde nasci e moro, num inferno de ignorância, violência e miséria.

De minha parte espero não esquecer que as pessoas têm todo o direito de temer pela integridade de seus rebentos, que esse medo não as torna mulas imbecis, e que se eu tivesse tido as mesmas experiências que elas certamente não veria o mundo como eu vejo agora.

E você, quais suas visão e atitude quanto a este assunto?

Summary

Compartilhe

Deixe seu comentário!