Paciente e psicólogo: isso dá samba?


Um dos sites que curto ler é o Yahoo Respostas, pois ao mesmo tempo que orkuteiros médios fazem perguntas imbecis e recebem respostas bestas, tem muita gente com dúvidas interessantes, e outro tanto com respostas inteligente, criativas e precisas para estas dúvidas.

Quando tenho com o que contribuir eu respondo alguma coisinha, lá.

Recentemente alguém perguntou sobre como resolver o “problema” que seria a situação de paciente e psicólogo se apaixonarem, e isso me fez querer escrever algumas linhas sobre o assunto.

Contando os psicólogos das empresas por onde passei, tive contato bem próximo com quatro profissionais da área que “cuidaram” de mim (na verdade dois foram meus terapeutas, os outros dois faziam seu trabalho junto a mim por contingência, e a recíproca era verdadeira). Meus terapeutas foram ambos homens, sem chance de paixonites, mas com um deles — que vou chamar de Fernando — certa vez tive um papo bem profundo sobre essa questão, porque, na época, eu não estava sabendo como lidar com as investidas de uma aluna minha.

Em verdade, não há um problema enquanto o profissional não se apaixonar pelo cliente. Afinal, quem tem que ter o controle da situação é aquele, mesmo. Porém, quando os dois se envolvem mutuamente, aí a coisa muda de figura.

Fernando me confidenciou certa vez apaixonou-se por uma paciente. Depois de muito ponderar, resolveu seguir o bom senso: deixou de ser o terapeuta dela, indicando-a a um outro profissional de reconhecida capacidade. Os dois hoje estão casados, têm quatro filhos e uma vida de comercial de margarina.

No caso da minha ex-aluna foi fácil de resolver: facilitei para que ela tirasse nota alta em um trabalho de recuperação, e misteriosamente meus encantos sumiram, e ela perdeu toda a vontade de dar para mim. Restaram dois consolos: fiquei com a consciência tranquila por não ter ofendido a Ética, e pensar que ela não fazia meu tipo, mesmo…

Compartilhe

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.64
Total de Votos: 11
Paciente e psicólogo: isso dá samba?

Janio Sarmento
Administrador de sistemas, humanista, progressista, apreciador de computadores e bugigangas eletrônicas, acredita que os blogs nunca morrerão, por mais que as redes sociais pareçam cada vez mais sedutoras para as grandes massas.

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.