O preço da liberdade


Certa vez fiz um trabalho (na faculdade) que me levou a definir em palavras qual o valor mais importante para minha vida. Muitos apareceram, mas no final o que prevaleceu foi a Liberdade.

Devo dizer que foi — sem trocadilhos — libertador chegar a essa consciência, por uma série de motivos, mas o principal é que a partir daquele momento eu não tive mais o direito de me boicotar com dúvidas sobre o que é bom para mim ou não: se privilegia minha liberdade é bom; se a ataca ou oprime de alguma maneira, é ruim. Simples, dicotômico, quase maniqueista.

Desde sempre tive sangue cigano. Há quem diga que é genético, pois um certo ramo da família vive fazendo mudança, a cada poucos anos a família inteira (umas quatro gerações) se bandeia para uma outra querência.

Só que diferente destes tios e primos distantes (de segundo, terceiro, quarto graus) eu não venho mudando dentro da cidade, ou de e para cidades vizinhas: já perdi a conta de em quantas cidades morei, em quantas casas, mas sei que já estou no terceiro Estado: primeiro Rio Grande do Sul, depois São Paulo e agora Rio de Janeiro.

Quem me vê indo de um lado a outro assim não pode deixar de notar a alegria com que eu mudo. Quando saí de Porto Alegre para morar em São Paulo deixei tudo para trás, no que diz respeito a pertences e bugigangas materiais. Ao mudar para o Rio, agora, praticamente a mesma coisa.

Mas quase ninguém percebe que assim como eu tenho de fazer a escolha por deixar as coisas materiais para quem delas vá fazer uso, eu também preciso abrir mão de relacionamentos, amizades, desejos, sonhos até. São amores que se constroem — sejam amores Ágape, Eros ou Filos — que num dado momento da minha existência preciso chegar para eles e dizer: “meus Amores, vocês não mudam em nada, continuam sendo os mesmos pelas mesmas pessoas, mas a Liberdade me chama e eu preciso ir”.

Às vezes dói.

Por uma fração de segundo chega a bater uma dúvida se o melhor não seria mesmo voltar para o lugar em que nasci (Deus me livre), e acomodar-me por lá para cumprir o resto da minha missão na terra. Mas que porcaria de missão seria essa que me obrigasse a renunciar ao mais importante dos meus valores?

Estou começando uma nova fase da minha vida. São novos hábitos que vêm junto com o novo endereço. Novos convivas. Novos sonhos. Os mesmos valores.

Enquanto a Liberdade quiser que eu fique no Rio de Janeiro, aqui ficarei. E serei — já sou — extremamente feliz.

Compartilhe

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.5
Total de Votos: 10
O preço da liberdade

Janio Sarmento
Administrador de sistemas, humanista, progressista, apreciador de computadores e bugigangas eletrônicas, acredita que os blogs nunca morrerão, por mais que as redes sociais pareçam cada vez mais sedutoras para as grandes massas.

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.