O Perigo do Xis sem Maionese


Imagine, caro leitor, a seguinte situação: quinta-feira à noite, larica em níveis estratosféricos, armários vazios em casa, geladeira na maior fartura de água gelada. O que você faria? Chamaria uma pizza? Comeria sua samambaia? Beberia toda a água da geladeira para enganar o bucho?  Eu fui ao xis (siga o link se você não sabe do que se trata).

Mas veja, caro leitor, como a vida pode ser irônica muitas vezes. Eu jamais poderia imaginar que naquela noite de quinta eu estaria prestes a ter um encontro com a quase-morte (não minha, de outra pessoa).

A noite estava agradável e sentei numa das mesinhas ao ar livre. Fiz meu pedido (um xis cinco queijos e uma coca-cola light) e fiquei observando a fauna que me cercava. Menos de dois minutos após eu ter feito o meu pedido chegou o lanche de uma mulher que estava com um cara, marido talvez, ao meu lado, porém na área coberta. A mulher pegou o xis, levantou o pão e desatou a vociferar impropérios contra o garçom, a casa e toda a categoria dos chapistas de lanchonete: ela queria um xis salada sem maionese, e o dela estava ensopado (foi assim mesmo que ela falou).

É claro que foi a maior correria, naquela balela de que o cliente sempre tem razão a casa providenciou a troca do xis da mulher, que novamente abriu o pão para conferir os ingredientes, mas desta feita ficou satisfeita.

Eu estava tranqüilamente comendo o meu xis quando de repente ouço o arrastar de cadeiras ao meu lado, gritaria, ordens de “levanta os braços dela”, e um som gutural para o qual eu não sei produzir a onomatopéia correspondente. Isso tudo não deixava dúvidas: a mulher tinha se engasgado com o xis sem maionese!

Foi, naturalmente, a maior correria. Saiu gente de tudo quanto era canto para acudir a mulher, e eu ali, lambuzado de cheddar e catupiry, imaginando teorias conspiratórias e/ou científicas que explicassem aquele fenômeno.

  1. Antigamente diziam que se você xingasse o garçom da lanchonete ele cuspiria no seu sanduíche. Creio que hoje seja tudo mais sofisticado, e a tecnologia tenha evoluído a um tipo de alface que causa engasgues, a não ser que esteja na presença de seu antídoto natural, a maionese.
  2. O chapista que teve de refazer o xis da mulher pode ter usado “o segredo” para vingar-se dela, e ela só não morreu ali mesmo porque o marido dela usou “o segredo” para mantê-la viva.
  3. A mulher pode ter se assustado quando viu que a lanchonete iria mesmo cobrar dois lanches dela, já que ela desperdiçou completamente o primeiro, o que a fez engolir em seco justamente no instante em que tinha um pedaço de xis sem maionese perto da goela.
  4. Ela poderia ter um carma a resgatar de uma vida anterior: na Idade Média ela era uma imperatriz (ou um imperador) que condenava os cristãos a mortes horríveis por engasgamento em público, submetendo-os à pior humilhação possível naquela época.
  5. Tudo pode não ter passado de uma simulação, a vigilância sanitária estaria apenas testando para ver como os estabelecimentos estão preparados para situações de emergência.
  6. A mulher pode não ter se engasgado realmente, só lembrou que não tinha feito seus alongamentos ainda, e resolveu fazer ali mesmo, enquanto comia xis sem maionese.
  7. Ela pode ter combinado um flashmob que consistia em todo mundo engasgar-se ao mesmo tempo, mas a galera foi sacana e deixou ela se ferrar sozinha.
  8. Alienígenas podem ter iniciado um processo de abdução, mas desistiram ao tomar ciência de que a mulher morreria de fome, pois a dieta da nave seria toda à base de maionese.
  9. Talvez ela participasse de alguma seita que em algum ritual a obrigasse a comer xis sem maionese com os braços erguidos, para purificar-se dos pecados (como o de xingar um prestador de serviço publicamente).
  10. Talvez nada disso tenha acontecido, e eu apenas tenha tido uma forte alucinação causada pela abstinência de comida.

E você? Qual a sua teoria?

Compartilhe

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.92
Total de Votos: 13
O Perigo do Xis sem Maionese

Janio Sarmento
Administrador de sistemas, humanista, progressista, apreciador de computadores e bugigangas eletrônicas, acredita que os blogs nunca morrerão, por mais que as redes sociais pareçam cada vez mais sedutoras para as grandes massas.

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.