O Nem Tão Triste Fim da Musa do Carnaval

- Eu não quero a criança. Eu quero o meu futuro em cima do trio elétrico. - O que? Você ta desistindo do teu filho pra cantar axé? - É. Eu vou ser a nova musa do carnaval da Bahia.


A Musa

Agora que eu tenho sua atenção...

  • Demorei?
  • Não muito. Eu já te disse a hora com uma a menos porque você sempre se atrasa.
  • Como é? Não era as quatro?
    -Bem, eu te disse as três. Cheguei tem 15 minutos.
    -Mas são quatro e vinte, e se eu tivesse chegado as três?
  • Bem, seria a primeira vez.
  • O que você esta insinuando?
  • Estou insinuando nada. Você está sempre atrasado. Eu esperei no carro por você no dia do nosso casamento. E eu era a noiva. A cultura do casamento inteira diz que você devia me esperar.
  • Quantas vezes você vai passar isso na minha cara?
  • Eu não estou passando na sua cara.
  • Você sempre está passando alguma coisa na cara de alguém.
  • E você está sempre atrasado.
  • Foi por isso que o casamento acabou.
  • É verdade.
  • Você precisa sempre ser superior. E sempre tá passando alguma coisa na cara de alguém…
  • Opa! O casamento acabou porque você NUNCA chegou a tempo de nada.
  • E você sempre passou isso na minha cara.
  • Só quando você chegava a tempo de ainda me pegar furiosa de ter sido largada esperando por você.
  • Engraçada.
    -Ridículo.

  • Tá certo. O que você quer comigo de tão urgente que nem no divórcio eu posso me dar ao luxo de não ter horário nenhum marcado com você?

  • Está atrasado…
    -Já passamos dessa fase. Qual é o assunto? Ou você criou essa situação só para eu me atrasar e você poder passar na minha cara o quanto a sua tataravó ser britânica faz de você uma pessoa superior por ser capaz de cumprir horário?
  • Ah… o que foi mesmo que eu vi em você? Tão idiota, Jesus!
  • E não é?! E você tão superior aí com esse seu gene britânico se deitando com a porcaria oriunda da ralé aqui né? Mas eu lembro que você gostava…
  • Eu não. Mas nunca é tarde para recomeçar e eu quero seguir em frente. Infelizmente eu não posso por causa de um detalhe, que é o que me traz aqui.
  • Eu estar atrasado?
  • Ridículo.
  • E o que é então?

  • Eu estou grávida.

  • E por que isso é problema meu?
  • Como assim “por que isso é problema meu?” Por que eu te chamaria aqui depois de tudo o que você aprontou?
  • Nós nos separamos tem três meses. Esse filho não é meu.
  • Claro que é seu. Quem você pensa que eu sou?
  • Quer dizer que eu foi o último… você sabe… eu fui o último?
  • O filho é seu. Eu estou grávida de quatro meses.
  • Uau… quer dizer… eu não quis comentar que você estava mais redonda, mas… você sabia disso e não me contou?
  • Eu sei tem só um mês. Como assim redonda? Eu estou gorda?
  • E só agora me contou?
  • Eu precisava pensar tá? Essa coisa vai destruir meu corpo.
  • Como é?
  • Isso vai acabar com a minha carreira.
  • Que carreira, você nunca fez nada que precisasse de boa forma. Você é cozinheira.
  • Eu estou mudando de carreira no momento.

  • E vai fazer o que?

  • Eu ia ser cantora, mas isso muda tudo.
  • Claro que muda, né? Nenhuma outra cantora do mundo teve filho, acaba a voz, você vai criar novos horizontes. Aliás… desde quando você canta?
  • Desde sempre.
  • E por que nunca soube disso?
  • Por que você nunca estava em casa e só chegava atrasado.
  • E lá vamos nós de novo…
  • Mas é isso… estou grávida. Você é o pai.
  • E o que nós vamos fazer?

  • Eu não quero a criança. Eu quero o meu futuro em cima do trio elétrico.

  • O que? Você ta desistindo do teu filho para cantar axé?
  • É. Eu vou ser a nova musa do carnaval da Bahia.
  • E o bebê?
  • Ah, o seu filho você faz o que quiser.
  • Como assim o “seu filho”? Tá na sua barriga, sabia? É seu filho também.
  • Eu não posso criar essa criança na Bahia.
  • Por que não? Você sempre quis um filho, que foi que mudou agora?
  • Você sempre quis um filho. Eu só queria fazer você feliz.
  • Eu sempre quis um filho, mas você sempre quis um também.
  • E o Geraldo não quer essa criança.
  • Geraldo? Geraldo da oficina? Você ta dormindo com o Geraldo da oficina?
  • E qual é o problema com ele? ele é um homem maravilhoso!
  • Ah é… muito. Ele trabalha com desmanche de carro roubado. Nunca vi ninguém tão maravilhoso. Você nunca vai crescer.
  • Ninguém tem provas de que ele é essa pessoa ruim, além do mais… ele sempre faz o que precisa fazer, me chama de meu amor e é sempre pontual… parece que ele tem um avô que morou na England e tem isso em toda a família.

  • Olha Mychelle, você me convenceu. Tenha o filho, eu pego a criança no hospital assim que nascer e levo para casa e crio sozinho. Ele nem precisa ter o seu sobrenome. Eu falo que você morreu, alguma coisa assim… vai cuidar da sua brilhante carreira de mulher de malandro.

  • Você vai dizer que eu… que eu… que eu.. morri? Por que?
  • Porque é meu filho, eu não quero que ele conviva com a ideia de uma mãe tão idiota. É melhor não ter mãe nenhuma. Eu arrumo outra mãe para ele, sei lá… eu vou conversar com a minha namorada… eu me viro. Só me dê a criança.
  • HAHA. Claro! Vai querer tirar minha participação na vida do meu filho e dar para a quenga com quem você tá dormindo, né? A sua cara diminuir o meu trabalho.
  • Agora é seu filho também né? Só porque eu falei da Maria.
  • Que Maria?

  • Cacete.. Maria, a minha namorada se chama Maria.

  • Maria… você tá namorando aquela passista biscate? Cretino! Safado! Você sabia que ela sempre queria arruinar o nosso casamento! Que ela lutou contra o nosso amor! Como você pode fazer isso comigo?!
  • Foi você que foi embora. Você queria que eu ficasse esperando você voltar para sempre? Quantas vezes eu não fui atrás de você?
  • Mas logo aquela vagabundazinha? A dona passista de escola de samba do Ceará que pensa que é melhor que todo mundo porque conhece o Rio de Janeiro? Que passou UMA SEMANA lá e voltou com aquele sotaque “sou garota de Ipanema”? É para ela que você quer dar o meu filho?

  • Não sei Mychelle, eu não sei. A única coisa que eu sei é que você tá grávida e não quer criar a criança e ela é minha também e eu vou assumir a responsabilidade. A Maria mora comigo, a gente vai casar. Se ela topar me ajudar a criar o Júnior para mim é melhor…

  • Aquela vaca não vai colocar a mão na minha criança.
  • E como é que você vai impedir? Você vai tá muito ocupada cantando em cima de uma porra de um trio elétrico.
  • Você nunca respeitou meus sonhos…
  • Eu nem sabia que você queria ser cantora. Nunca vi você cantar nem parabéns para você. O filho é meu. Vá subir no seu trio elétrico.
  • Olha, se você quiser ver essa criança vai ter que se livrar da Maria.
  • O que?
  • É isso mesmo, a criança precisa de uma figura feminina e eu não vejo porque não pode ser eu.
  • Porque você vai tá na puta que pariu dormindo com o Geraldo em cima de um trio elétrico na Bahia.
  • Ela não vai colocar a mão no meu bebê.
  • Nem o ladrão do seu namorado vai colocar as patas no meu filho.
  • Então vamos dar para adoção? Não vou dar meu filho para um estranho criar… a gente vê cada história.

  • E o que a gente faz? Casa de novo? Como se nada tivesse acontecido?

  • É uma ideia…

Compartilhe

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.55
Total de Votos: 11
O Nem Tão Triste Fim da Musa do Carnaval

Anna Ingrid

2 comentários

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.