Como falar palavrões e xingar sem perder a fidalguia e o garbo


O presente texto tem caráter educativo, elucidativo e visa reforçar a fidalguia e o garbo dos leitores da mais fina estirpe deste imperiódico digital, ao explicitar regras de etiqueta e boa conduta para os momentos em que se faça necessário expor descontentamento e quiçá uma pontinha de ira.

A despeito da nobreza do presente texto, sua alma intrínseca é de natureza belicosa, podendo soar ofensivo à suscetibilidade de infantes precoces que se encontrem lendo blogs de gente adulta. Destarte, será necessário fazer clique sobre o quadro abaixo, a fim de trazer à luz a sabedoria altiva de minhas humildes palavras.

Os termos não estão em nenhuma ordem especial. Fica como dever de casa aos pretensos nobres e futuros representantes do garbo e da sobranceria varonil organizar as informações em ordem lógica, com o fito de de fixar as informações em seu córtex privilegiado.

Cu

Um nobre jamais fala cu. Ele sempre usará a forma culta que é “ânus”.

Enfia no cu

Esta é uma construção frasal muito feia! O imperativo do verbo na segunda pessoa torna a frase deveras chula, e seu uso só é desculpável se for totalmente não intencional. Usar adrede o imperativo na segunda pessoa arranha o garbo de qualqer um.

As formas preferenciais dessa construção são:

  1. Enfie no cu.
  2. Enfie no ânus.
  3. Armazene no reto.

“Enfia no cu, eu nem queria mesmo” deve ser dito por nobres mancebos e distintas senhoritas como “Armazene no reto, o referido mimo sequer despertou meu mais mínimo interesse”.

Vai tomar no cu

Para começo de conversa, atacar as possíveis preferências sexuais de outras pessoas como se isso fosse algo detrator da personalidade do antagonista é de extremamente mau tom, e ineficiente: hodiernamente não se sabe se tal ordem será interpretada como ofensa ou como desejo de boa sorte.

Mais magnânimo e munificiente seria usar um insulto do tipo: “que um mangalho te invada o reto causando dor, desconforto e humilhação, e nem um átimo de prazer”.

Merda

Em vez de “merda”, indivíduos de fino trato devem referir-se aos excrementos humanos como fezes!

Vá à merda

É preferível dizer:

  1. Por gentileza, dirija-se às fezes.
  2. Por favor, queira encaminhar-se aos excrementos.
  3. Poderia fazer o obséquio de pôr-se em marcha rumo aos detritos?

Não fode

Referir-se ao ato sexual falando em “foda” não é adequado para pessoas de impoluto proceder, de irreprochável educação.

Não me fode a paciência

Tal construção frasal deve vir aos lábios de alguém de elevada estirpe numa forma semelhante a “não pratiques o coito com minha pachorra” (favor poupar-me de rimas aludindo à zoofilia).

Filha da puta

A classe desprivilegiada, ou seja, a que não lê este blog, vai continuar usando este palavreado chulo e misógino para atacar seus desafetos. Mas você, dotado de airosidade, cultura e zelo, vai passar a utilizar agora expressões como “rebento da profissional do sexo”, “descendente da meretriz”, “botão da marafaia”.

Products from Amazon.com.br


Crédito da Imagem

Compartilhe

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.71
Total de Votos: 14
Como falar palavrões e xingar sem perder a fidalguia e o garbo

Janio Sarmento
Administrador de sistemas, humanista, progressista, apreciador de computadores e bugigangas eletrônicas, acredita que os blogs nunca morrerão, por mais que as redes sociais pareçam cada vez mais sedutoras para as grandes massas.

9 comentários

  • Heitor de Souza:

    Meus parabéns, ri muito agora!

    Responder
  • rayane cordeiro:

    legal de mais vou usar muito por ai .

    Responder
  • Dhiesieli:

    HAHAHHAHAHA, Adorei.

    Responder
  • Gustavo:

    kkkkkkk. Gostei muito de seu escárnio pomposo. Indicas livros bons para se aumentar a expertise em escrita?

    Responder
    • Janio Sarmento:

      Tem smarthone? Baixa o aplicativo do Kindle, assina o Kindle Unlimited que vai ser o melhor investimento que você vai fazer na vida.

      Responder
      • Gustavo:

        Eu já tentei algumas vezes, mas não consigo ler em digital 🙁

        Responder
    • Janio Sarmento:

      Apesar do atraso, adicionei alguns links de livros sobre palavrões no final do post. 🙂

      Responder
  • Ellen:

    Como falar ”Filho da puta” de uma maneira educada : Filho de uma inocente mãe que presta serviços sexuais a troco de dinheiro.

    Responder
  • Diego:

    Fiquei até triste quando acabou o artigo. Faça mais postagens sobre tal assunto.

    Responder

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.