Boas vindas novo seguidor


Olá.

Você está lendo esta página ou porque é muito curioso e seguiu um link na barra lateral do blog, ou porque — mais provável — começou a me seguir no Twitter, recebeu uma mensagem direta (DM) automática e clicou no link que havia nela.

Nesta página você vai encontrar um resumo da minha “política de utilização do Twitter”, o que vai lhe poupar tempo descobrindo aspectos básicos da minha pessoa e da minha atuação na rede de microblogs.

Segue que eu te sigo

Na boa? Estou cagando para o número de seguidores, e desprezo quem segue pessoas pela simples expectativa de ser seguido de volta. Aliás, normalmente quem implora para seguir de volta em poucos dias deixa de seguir todo mundo, para se fazer de fodona e dizer que tem uma caralhada de seguidores.

Então, se seu objetivo é tentar obter um seguidor a mais (eu) ao me seguir, está perdendo tempo. Eu não sigo ninguém só porque a pessoa começou a me seguir.

Se bem que se você está lendo esta página agora, a chance de ser um lixo desses diminui bastante.

Me seguir é um privilégio, ser seguido é mais ainda

É sério: poder me seguir no Twitter é um privilégio. E se eu vier a seguir alguém, esse alguém pode se considerar ainda mais privilegiado.

Só que privilégios podem ser cortados, e eu não suporto no Twitter:

  • gente que fica falando de futebol;
  • gente que escreve mal, com erros, desleixadamente;
  • gente que desfia preconceitos, e ataca deliberadamente;
  • fanáticos de qualquer tipo, principalmente os religiosos;
  • gente que tuíta #ads na timeline.

Se a pessoa cometer qualquer um dos comportamentos acima, não só deixará de ser seguida como também será bloqueada, que é para eu nunca mais ter que aturar a chatonilda.

Como eu escolho quem vou seguir

É claro que não sou nenhum imbecil de achar que o Twitter vai ter alguma graça se eu for seguido mas não seguir ninguém. Não quero ficar falando sozinho, mas sim quero interagir com gente fina, elegante e sincera, e com habilidade para dizer mais sim do que não.

Qualquer um que interaja comigo na timeline pública e se mostre dotado das três qualidades acima, sem cometer os pecados citados anteriormente, com certeza absoluta vai ganhar uma visita minha nos seus tweets, e se a pessoa for mesmo o que parece, pronto, eis-me a segui-la.

Eu não sou tão chato quanto pareço

Na verdade eu sou mais chato do que pareço à primeira vista. A idade e tudo que ela traz consigo fazem com que a gente fique cada vez mais intolerante com gente burra e mal intencionada.

Se você achar que ainda assim eu valho a pena ser seguido pelo que eu expresso no Twitter, muito obrigado. E se além disso você for do tipo que merece que eu siga de volta, muito obrigado umas setecentas e exageradas vezes. Juntos talvez a gente possa fazer do Twitter um espaço de convivência saudável e construtiva, o que é bom para todo mundo.