Acordo Ortográfico, Acentos Diferenciais e Crase


Não é de hoje que regras de acentuação vêm tirando o sono de muitos estudantes, ou daqueles que precisam fazer um bom uso da Língua Portuguesa, mas simplesmente não conseguem aprender algumas regras que regem a grafia de certas palavras. Atualmente os acentos que diferenciam “tem” (singular) de “têm” (plural), “vem” (singular) de “vêm” (plural), por exemplo, e o acento grave, ou crase, são, em minha percepção, os casos mais críticos.

Recentemente foi bastante noticiado nos meios de comunicação um acordo internacional visando unificar a grafia da Língua Portuguesa em diversos países — Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Timor Leste, Brasil e Portugal —, sendo que as duas grafias “oficiais” são a Portuguesa e a Brasileira.

Entre outras mudanças, como a inclusão oficial das letras K, Y e W no alfabeto e a abolição do acento agudo em ditongos abertos em “ei” e “oi” (palavras como idéia, assembléia e mocréia).

Além disso, há uma série de palavras que continuarão com duas grafias, obrigando edições em diferentes países a diferentes revisões, e conseqüentemente não resolvendo o principal “problema” que o dito acordo pretendia resolver. Exemplos dessas palavras:

  • académico/acadêmico;
  • anatómico/anatômico;
  • cénico/cênico;
  • cómodo/cômodo;
  • fenómeno/fenômeno;
  • género/gênero;
  • topónimo/topônimo;
  • Amazónia/Amazônia;
  • António/Antônio;
  • blasfémia/blasfêmia;
  • fémea/fêmea;
  • gémeo/gêmeo;
  • génio/gênio;
  • ténue/tênue.

Outras regras notáveis trazidas pelo tal acordo são a supressão do trema (quero ver as salsinhas saberem o que é redarguir, sem trema — com ele já é difícil) e a supressão de algumas consoantes mudas como em “actor”.

Especificamente sobre os verbos, o que muda é que a terceira pessoa do plural de alguns como “crer”, “dar” e “ver” deixam de ter o acento circunflexo, ficando, respectivamente, “creem”, “deem”, “veem”. Não achei nenhuma informação dando conta de que verbos como “ter” e “vir” passem a ter suprimido o acento circunflexo da terceira pessoa do plural. Mas “para” (preposição) e “pára” (verbo) passarão a ter a mesma grafia, algo tão absurdo quanto a supressão do trema, em minha opinião.

E uma coisa é certa: a crase não será suprimida do idioma, para desespero de quem não sabe a diferença entre preposição e artigo, para poder entender que o “a” craseado é a fusão de uma proposição com um artigo. Durante mais algum tempo seremos obrigados a ver deslizes como “atendimento à domicílio”, em que o a craseado é mais inadequado e inconveniente do que amante na primeira fila da igreja na noite do casamento.

Compartilhe

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.5
Total de Votos: 11
Acordo Ortográfico, Acentos Diferenciais e Crase

Janio Sarmento
Administrador de sistemas, humanista, progressista, apreciador de computadores e bugigangas eletrônicas, acredita que os blogs nunca morrerão, por mais que as redes sociais pareçam cada vez mais sedutoras para as grandes massas.

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.