A vingança é uma merda


Sábado à noite, fim do horário de verão, uma hora a mais de fim de semana para curtir, e a televisão está repleta de programas ruins, dentre os quais um filme na Globo que trata do tema mais recorrente em todos os ditos filmes de “ação”: a vingança.

O roteiro deste tipo de filme é repetido à exaustão, mas como  o planeta está cheio, repleto, lotado de pessoas viciadas em vingança, elas continuam identificando-se com as histórias e comprando as referidas “obras de arte”.

Roteiro básico de um filme de vingança

Os filmes de vingança seguem o seguinte esquema, com variações leves:

  1. Alguma coisa injusta e horrível acontece com o herói ou sua família.
  2. Ele é o único que sobrevive, e sai à cata daqueles que lhe causaram perdas e consequente sofrimento.
  3. Ele mata todo mundo.
  4. No final, ele se vê numa vidinha bem mais ou menos e sem sentido, então resolve ficar com aquela gata que estava o filme inteiro dando mole para ele, e reconstrói sua vida num paraíso tropical qualquer.

A arte imita a vida

O chavão é batido, surrado, espancado e amplamente violentado de tanto que o usam, mas é fato que as artes dramáticas nasceram para que as pessoas pudessem relativizar seus sentimentos e mazelas para poder compreender melhor suas próprias vidas.

Adivinha de quem ele vai se vingar no futuro.

Quando alguém faz um filme igual a tantas centenas de filmes que já foram rodados, contando a mesma história com variações insignificantes, e milhões de pessoas vão ao cinema, locam o filme, vêem na televisão, baixam da Internet, ou o que for, isso só acontece porque estes filmes contam exatamente a vida dessas pessoas.

É raro, contudo, que as pessoas saibam do que ou de quem estão se vingando. Algumas partem para a psicanálise, e a maioria destes foge dos consultórios quando começa a arranhar a verdade por trás de suas motivações.

Mas a arte dramática tem uma incomensurável vantagem sobre a vida real: depois de algumas horas a historinha acaba, enquanto as pessoas seguem, via de regra, perpetuando seus programas irracionais de vingança eterna.

Creio que as pessoas poderiam começar a ser um pouco menos burras e interromper suas histórias de vingancinha, partindo direto para o epílogo — aquela parte em que o herói dá uns malhos na gata e vai morar em Bora Bora.

Pular etapas de vingança e ir direto para o bem bom é a coisa mais lógica a fazer, mas como vingativos patológicos (desculpem o pleonasmo) são qualquer coisa menos lógicos, eles preferem perpetuar a ingestão de veneno esperando que outra pessoa morra.

A vingança é uma merda

Enfim, isso tudo é para dizer que a vingança é uma merda. Porque não tem como a pessoa ser feliz enquanto estiver gastando energia tentando fazer outra pessoa infeliz.

E gente infeliz convivendo com outras pessoas é como uma pelotinha de bosta em um copo de água mineral cristalina e fresca: por mais que fiquem quietas e abaixo do radar, todo o ambiente em que elas estiverem estará contaminado, sujo.

Se você tem o pernicioso vício de usar a vingança para dar sentido à sua vida, faça um favor a quem não tem nada a ver com isso: fique longe, muito longe, de quem é mais feliz que você, ou então supere essa palhaçada e vá ser feliz também. Não custa nada.

Compartilhe

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.54
Total de Votos: 13
A vingança é uma merda

Janio Sarmento
Administrador de sistemas, humanista, progressista, apreciador de computadores e bugigangas eletrônicas, acredita que os blogs nunca morrerão, por mais que as redes sociais pareçam cada vez mais sedutoras para as grandes massas.

Comente!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.