#365Posts – A ocasião faz o ladrão

Às vezes a quantidade de otários procurando por um malandro por quem serem explorados pode ser assustadora, e uma mente fraca pode querer tirar vantagem disso.


Uma coisa que me assusta um pouco, de vez em quando, é a quantidade de otários implorando por um malandro que os explore. São muitos exemplos, mas vou destacar três.

“Fieis” em busca de gurus e líderes espirituais

Nem há muito o que comentar sobre isso, uma vez que — para quem não sofre da mesma carência que eles — fica evidente o fato de que essa gente precisa tirar de si, da sua família, dos seus filhos, para dar a um filho da puta qualquer que em troca oferece o céu.

Desesperados para “ganhar dinheiro fácil”

Chapéu de otário é marreta.
— (Dito popular)

Essa é outra categoria de gente que em sua ânsia por encher os bolsos não é capaz de raciocinar por dois minutos e desconfiar de qualquer oferta mirabolante. Até mesmo os golpes mais evidentes, propostas “comerciais” sem nenhuma sustentação lógica atraem milhares de otários como moscas se atraem pela merda.

Viciados em remédios controlados ou proibidos

Tenho um blog de emagrecimento, e a despeito dos avisos nos posts de que não vendemos nenhum tipo de medicamento, são vários emails por dia no formulário de contato, de gente querendo comprar sibutramina, fluoxetina, e outros remédios controlados.

É difícil não culpabilizar a vítima

Para todos os otários que procuram estes (e outros) embustes, e que têm o destino de cruzar com salafrários desprovidos de senso ético, o destino é sempre o mesmo: tomar um golpe e depois ficar reclamando que perdeu o dinheiro que não tinha, que tirou dos filhos para “investir” e tomou no fiofó, e posando de vítima.

Mas para quem tem um pouco menos de firmeza de caráter, é difícil não querer inventar um site para vender abortivos proibidos, pegar o dinheiro dos trouxas e entregar buchas de jornal, ou — sei lá, algo bem absurdo — enfeites natalinos.

A tentação de tirar vantagem da ignorância (ou qualquer outra fraqueza) alheia é diretamente proporcional ao tamanho da burrice do indivíduo. Se além de burro ele for mau caráter (pleonasmo, eu sei), então ele vai sucumbir, e vai acabar explorando mesmo.

Por outro lado, há um fator de as vítimas serem potencialmente tão burras e maus caráteres quanto seus algozes, e só permitem qualquer covardia porque automaticamente “pré-desculpam” os pilantras, porque dada a identificação elas se sentem como se estivessem sendo desculpadas e validadas em sua própria pilantragem. O sistema se retroalimenta, e como parece que a produção de otários é incessante, o circuito também se torna com tendências a ser infinito.


Em tempo: quem achou que em vez de um mascarado a foto deveria ter um jegue roubando um Macbook bota o dedo aqui:

fingerprint_-_Pesquisa_Google

Compartilhe

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.31
Total de Votos: 13
#365Posts – A ocasião faz o ladrão

Janio Sarmento
Administrador de sistemas, humanista, progressista, apreciador de computadores e bugigangas eletrônicas, acredita que os blogs nunca morrerão, por mais que as redes sociais pareçam cada vez mais sedutoras para as grandes massas.

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.