#365Posts – A Intuição sob uma Óptica Racional


Recentemente o Alex Castro, na edição natalina de sua newsletter, fez uma sugestão de leitura excelente: um livro de Gavin de Becker chamado “As Virtudes do Medo”.

Acesse a edição da Newsletter do AlexCastro aqui. Dica: leiam e sigam os links.

O livro fala de violência, de medo, e da utilidade que este pode ter para garantir a integridade física da pessoa, especialmente das mulheres, que são vítimas mais constantes deste tipo de ameaça.

Na esfera a que se propões, o livro é ótimo (e pode ser lido de graça, em Inglês, por quem tem Kindle Unlimited).

Entretanto, não estou aqui para resenhar o livro, e sim para falar de uma abordagem que para mim foi muito nova sobre um assunto que sempre é envolto em muito misticismo: a intuição.

Becker trata a intuição como a ferramenta mais importante e mais útil para que as pessoas se vejam livres de situações potenciais de perigo. A intuição (que leva a emoções como apreensão, estranheza, medo, etc) é tratada por todo o texto como a expressão da capacidade do cérebro de processar informações a espantosa velocidade, capaz de deixar a mente racional atônita e desconcertada.

Basicamente, o mecanismo da intuição consiste em:

  • levantar informações por meio da incessante varredura dos sentidos;
  • “calcular” se qualquer destas informações implica algum tipo de risco implícito;
  • caso haja risco, disparar uma emoção que faça com que a pessoa se sinta fisicamente mal, ou que o coração dispare, ou o que quer que seja.

Um dos exemplos de que mais gosto é o de uma mulher que estava sentada no banco do caroneiro do carro de um amigo, e de repente sentiu uma intuição “ruim”, e não teve tempo de livrar-se do sequestro de que foi vítima; porém, seguiu uma outra intuição que se seguiu, e conversou com o algoz o tempo inteiro como se fosse um velho amigo, pois intuía que ele não mataria uma pessoa que conhecesse — e isso lhe salvou a vida.

De fato, nada há de mágico nas intuições desta moça. O que há é uma leitura e interpretação dos sinais auditivos e visuais (mas não quer dizer que os outros sentidos estejam descartados): por uma fração de segundo ela viu pela visão periférica um pedacinho da calça jeans do agressor refletida no retrovisor do lado do motorista, o que a fez ter o primeiro acesso de apreensão; e durante o sequestro ela fez a leitura e a interpretação da linguagem corporal do seu captor, tendo tido tempo e elementos suficientes para concluir — acertadamente — qual atitude poderia salvar-lhe a vida.

Enfim, ainda não terminei de ler o livro, mas o farei em breve (a leitura é apaixonante, não consigo desgrudar). Espero ao final da leitura saber mesmo distinguir o que é medo útil do que é paranoia, e com certeza desde já vou passar a prestar mais atenção às intuições, uma vez que elas são sabedoria pura sem o crivo da mente (que por definição é doida e mentirosa).

Compartilhe

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.36
Total de Votos: 11
#365Posts – A Intuição sob uma Óptica Racional

Janio Sarmento
Administrador de sistemas, humanista, progressista, apreciador de computadores e bugigangas eletrônicas, acredita que os blogs nunca morrerão, por mais que as redes sociais pareçam cada vez mais sedutoras para as grandes massas.

Comente!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.